Grid

domingo, 15 de abril de 2012

Fiz buttermilk e... manteiga!!!

O novo desafio do Dorie às Sextas consiste em fazer scones com maçã e queijo Cheddar. O post não será sobre eles, já que só poderei publicá-lo a partir de sexta, mas antes sobre um dos seus ingredientes: buttermilk, que é o soro que resulta do processo de fabrico da manteiga.
Nunca tinha usado buttermilk, nunca o comprei e para ser sincera nem conhecia o seu aspecto. Quando a receita do desafio foi publicada, a Isabel mostrou-nos mesmo como se faz, mas estive a explorar mais um pouco e resolvi fazer the real thing, o que implica... fazer manteiga.

Não é a coisa mais rápida do mundo, sobretudo para quem não tenha Bimbys, Kenwoods e afins, não sai propriamente mais barato e, a menos que se use uma taça bem funda - o que eu não fiz -, salpica um bocado. Mas, apesar do esforço, o resultado final é mesmo gratificante... e emocionante, diria eu. Pelo menos, fiquei bastante orgulhosa com a proeza.

Mas vamos ao que interessa: como se faz? A minha fonte de inspiração foi esta, mas deixo-vos a minha experiência.

Usei dois pacotes de duzentos mililitros cada de natas frescas. Na receita original, é referido heavy cream, que tem cerca de quarenta por cento de gordura. As nossas natas têm trinta por cento e o resultado foi o mesmo. Segundo li, não convém usar natas UHT, a ultra-pasteurização dificultará bastante o processo. Esta quantidade dará para sensivelmente cem gramas de manteiga (não pesei, mas a olho parece andar por aí). Depois coloquei numa taça e comecei a bater com as varas que uso para as claras. 

Na primeira fase ficam fofas, como no chantili...


... passando a uma consistência muito espessa...


... para depois começarem a solidificar e, rapidamente, a granular, deixando um líquido translúcido.


Esse líquido é o famoso buttermilk. Nesta fase, usei um passador de rede para separar a manteiga do líquido, espremendo-a bem. 


Bati mais um pouco, repeti o processo e voltei a bater. Como já não largava mais líquido, assumi que estaria pronta. Então juntei um pouco de sal fino (tive receio de usar o grosso), juntei tudo numa bola e guardei numa caixa.


O buttermilk ficou assim...


... e a manteiga, assim.


Ambos já foram provados e aprovados. O buttermilk foi usado na massa dos scones, como era o seu propósito. A manteiga começou a ter uso ainda ontem à noite, para barrar pão alentejano ao jantar. Hoje, serviu para barrar os scones. É mais leve e mais suave que a de compra, sabe maravilhosamente e deve ficar óptima com alho, ervas e outras iguarias. Como vêem, dá trabalho, mas não tanto que me dissuada de voltar a fazê-la no futuro.   


4 comentários:

  1. Uau,Susana,estás de parabéns. Nunca fiz pois ao preço que as natas estão, acaba por não compensar. Mas,para uma gracinha, hei-de experimentar um dia destes.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  2. Em preço, não compensa. Mas em divertimento, asseguro-te que sim :)
    Recomendo!!!

    ResponderEliminar
  3. É mesmo deliciosa:)
    Eu adoro juntar coentros e alho em po.....fica divinal!
    Bom domingo!

    ResponderEliminar
  4. Com alho e coentros será precisamente a próxima experiência! Obrigado!

    ResponderEliminar

Pin it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...