Grid

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Um tiramisù pel' O teu riso


Adoro poesia. É uma parte de mim. É uma das formas mais puras de expressão, uma linha directa entre a caneta e o coração. Muitos são os poetas de que gosto, mas o Herberto Hélder é o tal. Aquele que me tira do sério, que me faz viajar com as suas palavras, a minha referência de escrita nestas lides da poesia. No entanto, não é dele o poema da minha vida. Não é dele o poema que li aos meus vinte anos pela primeira vez e ao qual volto constantemente, o poema que sei de cor na íntegra, o poema que escrevi em duas telas e que tive durante anos na parede do meu quarto. 

O poema da minha vida é do Pablo Neruda e chama-se O Teu Riso. E é esse poema que convido para jantar, seguindo o apelo desafiante da Cristina, a melhor confeiteira de palavras que conheço, que acolhe este mês o Convidei para Jantar da Anasbageri.

O Teu Riso

Tira-me o pão se quiseres
Tira-me o ar
Mas não me tires o teu riso
Não me tires a rosa, a lança que desfolhas
A água que de súbito brota da tua alegria
A repentina onda de prata que em ti nasce

A minha luta é dura e regresso de olhos cansados
às vezes por ver que a terra não muda
Mas ao entrar, teu riso sobe ao céu a procurar-me
E abre-me todas as portas da vida

Meu amor, nos momentos mais escuros
solta o teu riso
e se de súbito vires que o meu sangue mancha as pedras da rua,
ri
porque o teu riso será para as minhas mãos como uma espada fresca.

À beira do mar, no Outono,
Teu riso deve erguer sua cascata de espuma
E na Primavera, amor,
Quero o teu riso como a flor que esperava
A flor azul
A rosa da minha pátria sonora.

Ri-te da noite, do dia, da lua
Ri-te das ruas tortas da ilha
Ri-te deste grosseiro rapaz que te ama.
Mas quando abro os olhos e os fecho,
Quando meus passos vão
Quando voltam meus passos
Leva-me o pão, o ar, a luz, a primavera,
Mas nunca o teu riso,
Porque então morreria.

Aos vinte anos, também, sonhava viver em Itália. Sonhava com uma casa num último andar daqueles prédios antigos de Roma, pintados de ocre, com uma varanda estreita com floreiras pejadas de gerânios e uma escada ferrugenta que me levasse ao telhado, onde teria vasos com outras flores e uma mesa de ferro. Sonhava com este mesmo poema, naquele telhado igual a tantos outros, dito num sussurro, ouvido num murmúrio. Um bom vinho. A boca adoçada pelos sabores contrastantes de um tiramisù.


*****

Tiramisù

Uma embalagem de queijo Mascarpone
Quatro ovos
Cinco colheres de sopa de açúcar, mais uma para bater com as claras
Palitos La Reine
Café forte, adoçado a gosto
Rum, quanto baste
Chocolate em pó

Com a batedeira, misturar o queijo com o açúcar, juntar as gemas e bater bem, até ficar um creme muito fofo. Envolver as claras em castelo firme, batidas com uma colher de açúcar. Reservar no frigorífico. Numa taça grande (ou em taças ou copos pequenos - dá para cerca de oito copos de whisky), forrar o fundo com os palitos embebidos no café quente misturado com o rum. Deitar metade do creme e alisar um pouco, forrar novamente com palitos embebidos e terminar com o resto do creme. Levar ao frio durante pelo menos três horas. Momentos antes de servir, polvilhar generosamente com chocolate em pó.

16 comentários:

  1. Também eu adoro poesia e para mim é a expressão da alma no seu mais puro sentido. Adoro Neruda, é um dos meus poetas de referência e este poema do riso é de fato lindíssimo, como são lindos "A rainda" e "Se me esqueceres".
    Gostei imenso do teu tiramissú,ficou perfeito.
    Bjns
    Isabel

    ResponderEliminar
  2. Susana, adorei. Pablo Neruda é daqueles autores que volta e meia regressa à minha mesa de cabeceira. Saio daqui de alma cheia. Obrigada.
    E claro que o tiramisu tem um aspecto delicioso:)

    bjs

    ResponderEliminar
  3. Adorei a escolha do poema e doce:) Ficou uma delicia:!

    Beijinhos,
    Joana

    ResponderEliminar
  4. Já conquista o meu sorriso :) (Adorei o poema)
    Kiss, Susana

    ResponderEliminar
  5. Parabéns pela magnifica escolha (estou a falar do poema e da receita)
    Um beijinho e bfds

    ResponderEliminar
  6. Simplesmente adoro Pablo Neruda! É maravilhoso! E quanto a essa Tiramissu, eu ja ficava com uma tacinha! Posso Susana??
    Beijinhos,
    Mena.


    http://asaventurasdeumamama.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. Olá, boa tarde!
    Vi a sua participação no blog "Come Chocolates Pequena e vim fazer-lhe uma visita. Gostei muito da sua participação e das suas sugestões. O blog tem muita qualidade. Parabéns! Já sou sua seguidora. Aguardo uma visita sua no meu recanto de Receitas de Sedução.

    Beijinhos;

    Aurea Sá

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pela visita, Áurea, também já espreitei o seu cantinho :) um beijinho, Susana

      Eliminar

Pin it

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...